Ciclo das Rochas

“Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, já dizia Lavoisier.

O Ciclo das Rochas é um grande exemplo desta máxima. Todas as rochas têm origem noutras pré-existentes, e consoante as condições em que são colocadas, assim poderão dar origem a outro tipo de rocha qualquer.

Por exemplo, uma rocha para se formar terá que ter origem em sedimentos. E de onde vêm os sedimentos? Formam-se a partir da meteorização e erosão de outras rochas que estejam à superfície (1), sejam elas magmáticas, sedimentares ou metamórficas. Por diagénese (2), estes sedimentos dão origem a uma rocha sedimentar consolidada.

Do mesmo modo, qualquer rocha que seja submetida a pressões e temperaturas elevadas (3), será sujeita a metamorfismo. Mas se a temperatura e a pressão aumentarem, a rocha acabará por fundir (4) e dar origem a magma. Quando o magma arrefece e solidifica (5) forma-se uma rocha magmática. Se o magma solidificar em profundidade será uma rocha magmática intrusiva (ou plutónica), ou se for trazido para a superfície por processos de vulcanismo originará uma rocha magmática extrusiva (ou vulcânica).

Há muitas maneiras de representar o ciclo das rochas. Aqui tens outra forma de representar:

 

Eis um vídeo onde podes ver o “panorama” completo do ciclo das rochas – Link para o vídeo

.

E nada melhor para ver se percebeste do que aplicar os teus conhecimentos. Aqui tens uns exercícios online sobre o ciclo das rochas:

Exercício 1
Exercício 2
Exercício 3 (um pouco mais difícil)

2 comentários em “Ciclo das Rochas”

  1. Parabéns pelo trabalho. Aguardo ansiosa os próximos capítulos que ainda não ficaram prontos. Já indico para meus alunos de Fundamentos de Geologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *